A Senda dos Olhos Entreabertos

2018
instalação
recortes de revistas, papel vegetal 180g, ponta-seca, caixas de luz com mini-motores, caixas de som, papel de parede, placas e molduras de madeira
220 x 220 x 10 cm

Abstratas Moradas, MUBA - Museu Belas Artes, em São Paulo (2018)

Créditos: Malu Kazi (fotos), Junae Andreazza (edição), Yllan Carvalho (filmagem)

A instalação A Senda dos Olhos Entreabertos (2018) é composta por imagens xerográficas feitas com a sobreposição de recortes de revistas, tendo como diretriz de composição a estrutura narrativa dos ícones bizantinos. A disposição em uma quina e o ambiente com pouca luminosidade correspondem a santuários domésticos e espaços íntimos de oração. As imagens, que estão aparentemente pretas e ocultas, são reveladas com o percorrer contínuo de um estreito feixe de luz por trás de cada uma delas. Esse ritmo acompanha o som de motores e cantos fúnebres. Tendo em vista os componentes da obra, bem como referências artísticas e teóricas, esta pesquisa investiga o potencial ritualístico das imagens no passado e no presente, as convergências e divergências entre os meios digitais e analógicos e os lugares da memória na contemplação das imagens sacras e na comunicação imagética contemporânea.

Este trabalho e o artigo correspondente foram apresentados no Bacharelado em Artes Visuais como trabalho de conclusão de curso.

 

Artigo

A Senda dos Olhos Entreabertos: A Imagem que aparece e o ritual que sobrevive

Nicole Koutsantonis, 2018, Orientado pelo prof. Leandro Roman

Bacharelado em Artes Visuais, Centro Universitário Belas Artes de São Paulo